ALMOÇO NA CAMA – PARTE II

Recebo uma SMS a dizer “Elevador” e levanto-me num salto… estava nervosa! Digo a mim mesma “miúda… tu consegues, disfruta e deixa rolar!” Deixo a porta entreaberta e fico de pé junto à cama.

Ele entra no quarto e temos um breve momento de silêncio… ele olha-me intensa e fixamente nos olhos antes de me passar a mão na cintura e puxar-me para bem junto dele.

Não havia grande necessidade de trocarmos palavras, a nossa linguagem corporal fazia todo o trabalho.

Ao juntarmos os nossos corpos sinto a sua tesão e com a sua firmeza habitual passa da cintura e para o meu pescoço e beija-me enquanto me agarra com as duas mãos.

Sinto um imenso calor a subir pelo meu corpo mas deixo que seja ele a tomar a iniciativa.

Ele tira-me gentilmente a blusa e olha vagarosamente para o meu peito. Pergunto:

“Gostas? Comprei especialmente para ti!”

Ele estava surpreendido e passou várias vezes a palma da mão pelos meus bicos já excitados e rijos que saiam para fora. Foi só um toque ligeiro mas muito prazeroso.

Beija-me o peito todo e pescoço suavemente enquanto com as suas mãos procurava o fecho da minha saia.

“Eu ajudo…”

Afinal, multitasking não é para homens.

A minha saia cai e fico apenas de lingerie, meias de liga e sapatos altos em frente a ele. Sinto-o a devorar-me com os olhos.

Ele repara que há um espelho comprido numa parede do pequeno quarto e leva-me até à frente do espelho, vira-me de frente para ele e mantendo-se por trás de mim observa o espelho enquanto me toca. Rodo a cabeça e beijo-o enquanto ele me continua a percorrer.

Ele sussurra-me ao ouvido que tenho um corpo bonito e que adora todas as minhas imperfeições. Suspiro de forma audível… estava a adorar o mimo e a aproveitar cada momento.

Olhei para a cama e fiz-lhe sinal com um piscar de olhos… ela esperava por nós.

Sentei-me na beira da cama e reparo em algo que me tinha escapado aquando da sua chegada… ele trazia uma mala castanha, pequena, mas abriu-me a curiosidade:

“O que trazes aí?”

Perguntei e mordi o meu lábio nervosamente de seguida…

“Surpresas” diz ele.

“Vais gostar” e começa a despir-se.

Penso: Miúda! Tu sabias que esta era uma boa aposta… o que será…?!!

Disfarcei o meu nervosismo e curiosidade.

Ele despiu-se completamente enquanto eu fiquei a apreciar… ele era grande, moreno, já tinha estado em melhor forma, mas ainda era bastante firme e uma excelente visão.

Já sem roupa e claramente entusiasmado avança sobre mim e percorre o meu corpo com as suas mãos… olha para os meus sapatos e tira-os e de seguida despe as minhas pernas, retirando as meias devagar… sabendo que assim me tortura e eu gosto.

Passa a mão pelas minhas mamas rijas e depois desaperta o soutien. Sinto um arrepio bom. Sei o que vem a seguir… com as duas mãos puxa as minhas cuequinhas e eu dou aquele jeitinho levantando o rabo.

Fico completamente nua e deito-me sobre a cama. Ele segue-me.

Estou virada para cima e ele de lado junto a mim. Beija-me enquanto passa a mão na minha cona já molhada.

Diz finalmente que tem umas coisas para mim… e levanta-se até à mesa onde tinha ficado a sua mala e retira uma espécie de fitas.

“Posso?” Diz ele. Eu respondo com uma voz melosa

“Claro! O que me vais fazer?”

“Tu vais gostar” reafirma ele com segurança.

Deixo que ele me coloque as fitas, acedendo aos seus pedidos. A 1ª ponta da fita ficava no meu pulso e prendia com velcro e a outra ponta prendia no meu tornozelo também com o mesmo sistema.

Percebo qual o objetivo, desta forma ficava de barriga para cima, de joelhos dobrados e com as coxas afastadas… ele continua e coloca a fita exatamente da mesma forma no outro lado do meu corpo.

De seguida ele volta à sua mala e retira uma venda preta! A música da Banks embala-me e relaxa-me. Já desliguei de tudo o que complica e só quero disfrutar.

Ele coloca-me a venda e deixando de o ver, apenas posso sentir onde se encontra e imaginar o que está a fazer. Sabia que deveria haver mais qualquer coisa naquela mala.

Pressinto que ele se está a aproximar e de repente sinto o toque de um objeto fresco que começa a percorrer o meu corpo… parecia ser uma roda de metal com algumas saliências que me causava arrepios muito grandes e bastantes bons à medida que deslizava pelo meu corpo.

Este objeto tornava todo o meu corpo hipersensível, julgo que com o facto de estar sem visão os restantes sentidos estavam a ficar mais apurados.

Ele passou com o objeto maravilha (chama-se wartenberg wheel, pois claro que fui investigar!!) por várias áreas do meu corpo, contorci-me um pouco e disse-lhe que sabia mesmo muito bem… ele não me respondeu…

Afastou-se por uns momentos de mim e tentei com todo o meu esforço perceber o que estaria a fazer, oiço o barulho de um pacote a rasgar, percebo que é um preservativo… fico com imensa vontade de tirar a venda mas ainda não era hora.

Continua

Ilustrações:http://apolloniasaintclair.tumblr.com

5 thoughts on “ALMOÇO NA CAMA – PARTE II

Deixar uma resposta