Apollonia Saintclair®

Um dia na vida de uma massagista – Parte I

O belo, jovem e alto cavaleiro da Dinamarca ia regressar a Portugal após as festividades natalícias na terra natal e teríamos finalmente o nosso encontro.

As conversas eram picantes e promissoras apesar de o inglês ser por vezes uma barreira na dirty talk, pelo menos para mim. Mas parecíamos alinhados, ele gostava de dominar e de sexo mais duro e intenso assim como eu. Os filmes sujos rolavam na minha mente até porque ele era grande, bonito, com um excelente corpo e uma mente safada… Prometia.

A certa altura começo a desanimar e a estranhar o fato de ele não me estar a responder às investidas e quando finalmente conseguimos comunicar é que tomo conhecimento que algo terrível lhe tinha acontecido logo após chegar à cidade… Tinha sido atropelado, assaltado, deixado inconsciente largado à sua sorte, em plena baixa da cidade.

Ohh a sério? E agora, quando ficas bom?

Tento saber ainda com esperança de os meus planos de foder não irem por água abaixo.
Mas confirmou-se o pior dos cenários, tinha uma fratura grave na perna e o internamento ainda iria demorar algum tempo e após isso ele iria ter de ficar em pleno repouso horizontal e com a perna imobilizada com gesso.

Acredito no when there’s a will there’s a way por isso não seria este acidente que nos ia impedir de partilhar uma história positiva sobre a sua estadia em Portugal.
Sim, bebi o espirito de missão patriótica e pergunto-lhe:

Já fodeste com alguma portuguesa?

Ele responde que não e pensei

Lá está miúda! Vais entrar em ação e tornar a viagem do inferno numa boa recordação!

Mantivemos contacto diário durante o internamento, partilhando fotos e vídeos, o que apenas me abria ainda mais o apetite e a ele penso que ajudava no passar dos dias. Ele era adorável e com um corpo delicioso! Até umas fotos tiradas na maca de um hospital me faziam suspirar.

Entretanto chegou o dia em que ele se mudou para um aparthotel no centro da cidade a poucos minutos de mim. O cenário ideal para a fantasia que estava a planear na minha mente altamente imaginativa!
Seria a sua terapeuta! Partilhei com ele a minha ideia e rapidamente ele alinhou excitado dando contributos para o guião.

A minha visita profissional seria durante um período combinado previamente, eu iria avisar assim que entrasse no lobby do hotel para ele destrancar a porta do quarto e me indicar o número. Ele estaria deitado na cama nu e o quarto estaria pouco iluminado, apenas um ambiente de penumbra. Eu iria despir-me ficando apenas em ligerie sexy, levar um óleo de massagem cheiroso e fazer tudo o que ele me pedisse sem hesitar. No fim iria ser paga pela prestação do serviço e sair.

Conversamos algumas vezes sobre esta ideia até eu ganhar coragem e marcarmos o dia.

Miúda! Será que tens coragem de fazer algo assim? É tão excitante!

A adrenalina bombava no meu corpo e os dias demoravam a passar para os dois, o encontro seria já na penúltima semana dele em Portugal.

Chegou o dia D “Operação Dinamarca”! Toda a situação era extremamente divertida. Nesse dia vesti-me como normalmente mas por baixo usei um body cai-cai com ligas às quais prendi umas meias pertas elegantes. Coloquei também um colar justo tipo corrente em dourado. Seria este o visual que ele iria ver quando o estivesse a massajar.
Apanhei o táxi e rapidamente estava no lobby do hotel. Mandei mensagem como combinado

Cheguei

Dirigi-me aos elevadores envergonhada e sem conseguir olhar para o sr. da receção, não saberia o que dizer se me perguntassem.

O “cliente” respondeu rapidamente com uma mensagem indicando o andar e número do quarto onde me aguardava.
No elevador olhei-me ao espelho e ajeitei a roupa. Ria-me sozinha, estaria à beira da loucura? O nervosinho miudinho tem efeitos inesperados em mim mas que me fazem sentir viva. Muito viva.

Após chegar ao piso, caminho calmamente pelo corredor alcatifado e paro em frente à porta. Vejo que a porta está entreaberta e respiro fundo antes de a empurrar e entrar dentro do quarto.

O quarto tinha um pequeno hall de entrada que tinha de um lado a casa de banho e do outro uma pequena kitchenette, em frente via o fundo do quarto, apenas iluminado com a luz que entrava pelas persianas. A cama onde ele se encontrava não estava logo visível.

Neste momento tento entrar no papel mas não resisto a dizer um Hi e caminhar até ele. Poiso a minha mala numa cadeira e nervosa vou até ele. Ele estava com um boné e uns óculos de carnaval para se esconder, acho que estava ainda mais nervoso que eu.

Quando tira o chapéu e os óculos cumprimentamo-nos com dois beijos na cara. Ele estava deitado, com uma perna engessada mas percebia perfeitamente que era enorme, acima do 1.90 e mal cabia na cama de solteiro onde estava a repousar.

Ele elogia-me o visual executivo e eu digo que é como me visto no dia-a-dia. Tinha uma saia de napa e uma camisa original, e notei que ele aprovava. Fazemos uma conversa tipo “estado do tempo” até que decido encarnar na personagem, chega de desvios ao texto!

Já volto, vou-me preparar!

Continua

Ilustrações:http://apolloniasaintclair.tumblr.com

6 thoughts on “Um dia na vida de uma massagista – Parte I

  1. Ola, es uma mulher deliciosa que adorava conhecer… Tenho 35 anos de lisboa. Casado. E qie adora uma boa aventura discreta mas bem ousasa 😉
    Posso te conhecer?

Deixar uma resposta