Jogo de Damas – Parte II

Tenho noção que apenas se passaram breves momentos, mas pareceram-me uma eternidade.
Olhei mais uma vez para a plateia e a audiência senior estava fixada no filme, não iriam dar pelas minhas movimentações. Levantei-me deixando o casaco e a mala no banco.

Miúdaaaaaaaaaaaa

Gritava a minha voz interior.

Caminho lentamente até à cortina e espreito envergonhada, estava de facto bastante escuro e pouco via mais que um vulto de um homem, logo ele não veria o quão rosada eu estava, sentia-me a escaldar.

A cortina era de veludo grosso em tons de bordeaux e fazia um esconderijo perfeito naquele recanto da sala. A pouca luz que entrava por baixo da cortina era reconfortante mas insuficiente para um reconhecimento mas também já tinha passado essa fase.

Eu caminho até ele e rapidamente estamos a partilhar beijos intensos e molhados. Com a minha mão percorro a sua cara, pois ao estar privada de um sentido tinha que matar a curiosidade com outro, o tato.
Ele tinha uma barba macia e um cheiro agradável, não era muito alto pois ficava do meu tamanho com saltos e pareceu-me também um pouco nervoso, era uma loucura a dois.

Sussurra-me ao ouvido

Estou muito excitado, já estava a bater uma enquanto te via por isso não vou aguentar muito tempo.

Mordo o meu lábio de excitação e ajoelho-me para metê-lo bem rijo na minha boca. A cortina protegia-nos de sermos expostos mas não abafava os sons. Tentei ser silenciosa.
Chupo-o todo com gosto e muita tesão. Sentia-a entre as pernas pois como estava sem cuecas estava mesmo muito molhada.

Ele agarra-me a cabeça no clímax e vem-se intensamente na minha boca. Delicio-me com o momento e termino a chupá-lo suavemente.
Quando me levanto beijo-o e ele diz-me baixinho,

Vira-te putinha!

Encosta-me de frente com a parede enquanto enfia os dedos na minha cona molhada.
Penetra-me intensamentee rapidamente com os dedos e tenho que cerrar os lábios para não soltar qualquer gemido. O filme era bastante calmo e com algumas pausas nos diálogos, o que parecia amplificar todos os nossos sons, principalmente o som dos dedos a entrar na minha cona tão molhada, que de certeza estaria a ser ouvido.

Sei que ele me queria retribuir o prazer e o orgasmo mas eu estava a ficar obcecada com o fato de as velhas da plateia estarem a ouvir o que se estava a passar e isso de alguma forma constrangia-me. Aquele som dos dedos na cona parecia estar a ser ouvido até na sala ao lado!

Eu digo controlando a respiração e o tom de voz

É melhor pararmos, este barulho deve ouvir-se lá fora!

Eu viro-me e fico encostada de costas com a parede tentado ver mais uma vez como ele era, sem sucesso!
Ele fecha as calças e ajeita a roupa enquanto eu fecho a camisa e puxo a saia para baixo, tinha que me recompor.
Beija-me mais uma vez e diz-me

Espera um pouco depois de eu sair e depois sais, ok?

Assim fiz e após uns momentos ganhei coragem para sair de trás da cortina e voltar ao meu lugar, onde me sentei e fiquei a absorver a intensidade do momento.
O nervoso miudinho a acalmar aos poucos. Pela primeira vez tomei atenção ao filme e fiquei uns 15 minutos a assistir calmamente até me levantar discretamente e sair.

Enquanto me dirigia até à porta só esperava não me encontrar com a senhora dos bilhetes da entrada pois sair a meio de uma sessão é minimamente suspeito. Meio a medo avancei e assim que vi a costa livre quase que corri!
De sorriso estampado no rosto cheguei à rua e senti o sol na minha face.
Com sessões destas apanhavam-me mais vezes no cinema!

Pequena grande aventura – Parte II

Ele meteu as mãos entre as minhas pernas e sentiu-me molhada. Beijamo-nos e eu passo a mão pelas calças dele para sentir o caralho dele, estava a ganhar forma. Abro-lhe as calças e toco-lhe enquanto o encaro com cara de safada. Ele estava a tentar relaxar eu sentia isso e queria ajudar.

Baixo-me e fico de cócoras em frente a ele. Olhei-o gulosa e suavemente meti o caralho na minha boca.

Como não tínhamos muito tempo assim que o senti bem rijo entre os meus lábios levanto-me e digo-lhe:

Mete o preservativo e fode-me!

Ele tira o preservativo e começa a colocá-lo quando percebo que a coisa não estava a correr bem…

Já no passado tinha assistido a situações destas! O meu arqui-inimigo “preservativo” estava numa de me estragar o momento.

Empino o meu rabiosque e encosto as mãos no espelho para ele me penetrar embora já temesse o que se ia passar, não estava suficientemente rijo para entrar.Evito desanimar.

Meto mãos à obra, de cócoras novamente, e sobre o preservativo chupo-o para que ele volte a ficar como eu gosto.

As minhas tentativas n tiveram sucesso.

Não podes ganhar sempre!

Pensei, acontece! Mas a intenção tinha sido ótima.

Desistimos e eu digo-lhe que já agora precisava de fazer umas compras. Ele acompanha-me e é uma agradável companhia. Faço questão de manter o ambienhte ligeiro e confortável enquanto ando às compras de abacates maduros. Ele oferece-se para me levar de carro a casa.

Vamos conversando e eu conscientemente mostro que não estou constrangida, acontece e ele diz que não gosta mesmo de usar preservativos, eu digo que compreendo, mas comigo não há exceção nunca, never!

No caminho de carro até casa abro as minhas pernas de forma provocadora e ele sem hesitar passa os seus dedos pela minha cona molhada e enfia um dedo lá dentro. Queria dar-me prazer e agradar e eu divertida abri ainda mais as pernas.

Ele exclama:

A tua cona é tão boa! Tás tão molhada!

O trânsito da cidade fluía à nossa volta e a sensação de poder ser vista por outros assim aberta e a ser tocada excitou-me ainda mais.

O tempo de viagem não era longo mas deu para nos divertimos. Enquanto parados num semáforo mais demorado, ele debruça-se sobre mim para eu sentir a sua lingua quente na minha cona molhada! Era uma ótima redenção.

Já perto de casa digo-lhe para parar num local com privacidade e ficamos nos beijos enquanto lhe passo as mãos pelas calças e piscando o olho pergunto-lhe se ele se quer vir na minha boca?

Para quê estar com merdas, eu adoro fazer broches e embora não tivesse sido brilhante, tinha potencial futuro.

Com a pressa nas cabines ele ainda tinha o preservativo colocado!! What?? O ambiente era divertido.

Ele retira o plástico e eu dediquei-me a mamá-lo com gosto e não foi preciso muito tempo de exibição das minhas capacidades de garganta funda para ele se vir!

Hmmm tenho prazer em dar prazer. É um facto!

Despedimo-nos pouco depois e vou para casa satisfeita com a minha audacidade para aceitar o desafio e claro por ter sentido um merecido orgasmo na boca.

Nos dias seguintes trocámos algumas mensagens e entre a promessa de um novo encontro surge uma revelação!

Ele tinha contado a nossa história aos 3 melhores amigos que estavam super entusiasmados com a aventura e um pouco invejosos!

Confesso que já não sei bem como surgiu a conversa mas ele confessa que uma das fantasias que eles todos tinham era foder uma mulher em grupo.

Vi potencial naquela revelação! Sim claro, respondo quase sem hesitar! Ao mesmo tempo que na minha mente se forma uma imagem de luxúria.

Podemos combinar! Quando os posso conhecer?

E assim se abriu um novo capítulo desta aventura!

Ilustrações:http://apolloniasaintclair.tumblr.com

INTERNATIONAL FUCK – PARTE II

Costumo dizer que no que toca a sexo sou um pouco básica: gosto de homens (ponto final), de vários formatos, cores e feitios.

Este rapaz, para além de ser bem-parecido e atrevido, prometeu-me um squirt logo na 3ª sms de engate… Como resistir? Na minha cabeça o filme já estava a rolar e decidi fazer “all in” para ver ser era bluff ou não.

Outra coisa que me aguçava a vontade era o facto de ele não ser português o que fazia com que tivéssemos de falar em inglês e eu nunca tinha tido uma foda internacional!

No dia seguinte preparo-me para o encontro, como sempre, sentia o nervosismo bom que me anima e só pensava:

Miúda, é desta que vais esticar a corda e quem sabe descobrir o que é squirt na primeira pessoa!

Fomos trocando mensagens pelo caminho e eu sabia que ele também estava a sentir a pressão, afinal de contas ele é que tinha uma promessa a cumprir, eu ia só relaxar e desfrutar.

Cheguei ao ponto de encontro e ele diz-me em que quarto está. Vou ter com ele, respiro fundo, abro a porta e vejo-o de pé à minha frente ainda vestido como lhe tinha pedido.

O quarto era original: tema iceland, tons de azul, um jacuzzi… e espelhos no teto.

Avanço até ele e cumprimento-o com dois beijos na face. Gosto de quebrar o gelo e deixar a química fluir.

Ele elogia-me e mostra ser um “really nice guy”! O que ajuda a dissipar o nervosismo.

Sentamo-nos no colchão redondo sobre o chão, beijamo-nos e começamos lentamente a despirmo-nos um ao outro.

Ele desaperta a minha camisa e eu rolo sobre a barriga para ficar de costas e ele abrir o fecho da minha saia, que abria atrás num longo zipper. Sinto um arrepio ao expor o meu corpo pela primeira vez.

Ele tinha um corpo “super fit” e um sorriso inocente… mas a nossa conversa tinha promessas para cumprir!!

Ele despe-se todo e tira-me as cuecas e soutien com habilidade.

Engraçado como os homens gostam de exibir esta habilidade com soutiens

penso divertida.

Ainda antes do encontro, trocámos alguns gostos no que toca a sexo, ele tinha perguntado se eu gostava de ondas mais “hard” tipo choke ou spank. De facto, não sabia responder mas disse estar aberta a novas experiências e no calor do momento poderia ser interessante, estava, por isso, expectante com: squirt, hard sex e foder em inglês.

Ele toma o controlo do sexo, como eu gosto, e deita-me na cama, garantindo que eu estava confortável.

Beijamo-nos intensamente e já me estava a sentir molhada… O caralho dele era bonito e apetitoso e já estava duro.

Indo direto ao assunto, coloca o preservativo e após me penetrar com os dedos enfia o seu pau rijo dentro de mim!

Eu estava deitada por baixo dele e com os corpos colados rapidamente começamos a emanar calor.

Intenso, é como posso descrever o início, contudo, sentia-o preocupado em não me magoar quando me ouvia gemer.

Yes… soo good – Dizia eu sentindo-me uma porn star!

Ele agarrava-me com força e empurrava-se para dentro de mim. Levantou-me as pernas para os seus ombros e fodeu-me profundamente.

Bom ritmo, boa intensidade…

Yessssss!

Inclinando-se mais sobre mim, sinto a sua mão no meu pescoço, fecho os olhos para sentir e ouvir. O barulho dos nossos corpos, o arfar dele e o meu gemer claramente a subir de tom.

Conscientemente já não quero saber do som dos meus gemidos de prazer. Se há dias que gosto de os conter ou morder uma almofada, outros gosto de soltar sem restrições. Hoje era este o caso.

A loucura estava instalada e ele dá-me uma chapada e diz autoritário

Say you want to squirt!

Sem me dar tempo de resposta, volta a dar-me uma chapada com a mesma ordem. Como ele me continuava a foder e a apertar com força a minha capacidade de resposta estava lenta mas lá lhe disse I

I want, i want to squirt!!

Confesso que me surpreendeu e estava a ser muito divertido,  sem qualquer dor, apenas deixar rolar o impulso da situação.

Ele sai de dentro de mim e enfia dois dedos na minha cona. Fode-me assim num frenesi que me causou um arrepio no corpo todo.

Por momentos, olhei para ele e vi que estava concentrado a aplicar a sua técnica infalível em mim.

Contorço-me toda e entre um novo arrepio por todo o corpo sinto e vejo o líquido a brotar de mim enquanto ele continuou a foder-me com os dedos!

Senti uma descarga no corpo, diferente de um orgasmo, e estava espantada com o que via.

Ele sorriu triunfante e eu curiosa a ver que raio de fluído era aquele. É uma imagem bem interessante que ficou gravada na minha memória, porque ele continuou a foder-me e o esguicho a saltar por todo o lado.

WOW

Ele tinha cumprido a sua parte do deal, e merecia conhecer o meu deep troat and messy blowjob!

Ele senta-se numa parte mais alta junto ao colchão e eu levanto-me, ainda atordoada, gatinhando até ele.

Meto aquele caralho rijo na boca e chupo-o primeiro na cabecinha e depois desço até o conseguir enfiar o mais fundo na garganta.

Daí ao messy é um instante! Ele aprecia o meu gosto e capacidade e empurra a minha cabeça para o fundo até engasgar. A saliva começa a nascer em grande quantidade e cuspo-lhe também… olho para ele para sentir a reação, acho que estava também a cumprir a minha parte!!

Chupo com vontade até parar por momentos e lhe perguntar onde se quer vir…

In my face?

Sugiro.

“Ohh Yes”. Ele toma o seu pau nas mãos e termina a bater uma para a minha cara e boca. Volto a chupar para beber todo o leitinho e riu-me para ele.

Já devia ter a maquilhagem meio esborratada com o leite a escorrer, mas estava satisfeita! Penso nisso depois!

Ele levanta-se e vai para o jacuzzi que estava com água a correr desde que tinha chegado (smart guy) e ao fim de umas tentativas na água a escaldar lá consigo entrar e sentar-me junto a ele e ficamos aninhados sem falar.

Lavo a cara e penso que esta brincadeira não vai fazer bem ao meu cabelo… Não posso regressar ao trabalho com ar de quem esteve a foder num jacuzzi!! Trato disso depois!

Well… life is short! E estava a saber-me lindamente. Ele foi super meigo e carinhoso como eu aprecio e ficamos um pouco só a relaxar e a absorver as sensações.

Tinha acabado de ter um squirt!! WTF?! É diferente de um orgasmo normal, contudo, a descarga de adrenalina é maior. Ele diz-me que após a primeira vez se vai tornando mais fácil e que eventualmente irei conseguir squirt com sexo normal.

Após algum tempo na sopa, estamos ainda quentes e com tesão, olhamos um para o outro e voltamos ao colchão para mais um round. Estava desejosa de uma foda de quatro e ele não desilude.

Agarrando-me bem pelas ancas e rabo, fode-me com a sua intensidade e juventude. Venho-me

Fuck yeah!

Gosto de sentir o homem a dar tudo para me dar prazer, só ficou por experimentar o anal.

Para terminar, voltamos ao blowjob maravilha made in Portugal! Ele vem-se na minha boca e caímos os dois extasiados, lado a lado. Ficamos a conversar sobre as nossas vidas e até conselhos sobre mulheres lhe dei!!

Curiosamente ele não tinha estado com nenhuma portuguesa, só com estrangeiras como ele a aproveitar a nossa cidade. Pensei:

Sou uma jóia de mulher

Estava na hora de irmos à nossa vida habitual, ele aproveitar a aventura em Portugal e eu back to business.

Ficou a promessa de escrever um post em Inglês para que ele pudesse ler… mas não é possível… só o português me corre na veia literária.

No táxi de regresso fiz o replay de tudo na minha cabeça, acho que o motorista desconfia… se ele soubesse!

Ilustrações:http://apolloniasaintclair.tumblr.com