Homens não se medem aos palmos – PARTE II

Durante o jantar eu tinha falado brevemente de squirting e ele não tinha acusado o toque por isso toda a situação me tinha surpreendido! Ele era mais um daqueles que tinha descoberto a fórmula mágica e ainda me diz:

Então, dizias que não eras capaz…

E imediatamente me esfrega a mão encharcada na cara. Eu rio-me e voltei a frisar que não conseguia fazer a mim própria mas claramente há um segredo que ainda não descodifiquei!

Enrosco-me nele deixando as pernas bem abertas. Ele brinca com a minha cona e sinto-me a escorrer.

O carro começa a ficar com as janelas embaciadas e ele abre um pouco o vidro para aliviar a temperatura.

A entrada tinha sido a matar e estava bem desejosa de sentir a sua boca nas minhas mamas. O vestido era extremamente justo e por isso a única opção era mesmo tirar. Para tirar partido do decote tinha escolhido um soutien em leather com efeito push-up.

Já sem o vestido ele conseguiu chegar aos meus mamilos, tinha as mamas tesas, sentia o fresco que entrava pela janela. Volto a aproximar-me dele, encostando bem as mamas na sua cara para ele as devorar.

Os beijos sobem pelo pescoço e finalmente as nossas bocas tocam-se. Ele tem lábios carnudos e beija bem. Com a quantidade certa de língua e tensão. Eu gosto de beijos suaves, beijar os lábios e tocar as línguas. Suavidade é a chave.

Enquanto nos beijamos sinto a mão dele a deslizar novamente entre as minhas coxas. penetra-me com os dedos novamente, com vigor e intenção, tendo manter o beijo mas os gemidos e tremores começavam a tomar conta de mim, encosto a minha cabeça ao seu peito e aperto-lhe o pescoço no pico da intensidade. Novamente alagada.

Calor! Está mesmo calor!

Ele reclina o banco no máximo e pede-me para subir para cima dele, para ver se encaixamos bem. Parece-me que sim, sinto-o rijo entre as minhas pernas à medida que me vou roçando nele, numa simulação.

Nesta altura já pensava no seu caralho rijo por mim, com água na boca para o chupar. Saio de cima dele e vou para o meu banco, dou-lhe sinal que o quero ver e quando baixa as calças vejo uma boa surpresa. Agarro-me a ele para o chupar. A minha posição não era a ideal e senti-me a bater em várias partes do carro.

Ainda o enfiei bem no fundo mas talvez os astros ou o nervosismo estivessem a estorvar mas não senti o 100%. Eu também sendo honesta não estava ainda totalmente lá, seria do carro? Don’t know. Termos jantado antes também não é a situação ideal pois sinto que não posso dar tudo como gosto pois o gag está muito mais difícil de gerir.

Ele abre a porta do carro e fica de pé junto ao carro com as calças em baixo! Olho para todos os lados para me certificar que não havia ninguém à vista. Parecia que apenas estava um carro parado no fundo da doca, dificilmente nos veriam.

Ganho ímpeto e agarro-o bem para o chupar novamente até o sentir bom para me foder. Pergunto-lhe se tem preservativo, ele diz que sim e apesar do disclaimer de que hoje não iria ser a melhor performance pois tinha tido muita atividade recente coloca-o rapidamente. Eu saio do carro, praticamente nua e inclino-me para dentro, deixando o meu rabo a apontar para a lua. Esta sensação de liberdade por nudez em espaços abertos é sempre muito divertida.

Ele penetra-me fundo de uma vez, fazendo-me gemer! Gosto especialmente da primeira penetração, seja ela meio bruta e intensa ou suave e devagar. É tudo uma questão do momento, mas nada bate a primeira penetração.

A energia era boa e passámos um bom bocado até ele parar para aproveitar a minha posição e provar a minha cona com umas lambidelas saborosas.

De pé, nua junto ao rio a sentir a brisa da noite na minha cona molhada e a apreciar o momento de loucura conjunta. Voltei para dentro e ele ao seu lugar, onde nos aninhámos novamente.

Ele tinha-me proporcionado prazer contudo não tinha ficado perto de se vir. Há já algum tempo que percebi que os homens não têm todos as mesmas necessidades e que não se virem não é tão dramático quanto isso nem me afeta como no passado. Eu tenho uma postura bastante mais relaxada e de zero pressure.

Enquanto nos aninhamos ele começa a bater uma e pelos seus sons e contrações percebo que agora sim estava quase a vir-se e prontamente me ofereço:

Queres-te vir na minha boca?

E viro-me paro o caralho dele e enquanto ele bate uma ao seu ritmo eu abro a minha boca! hmm gosto de sentir o clímax do homem , quente na minha boca! Engulo e volto-me para cima para lhe dar um carinho e um beijo!

Aquele momento em que estamos os 2 relaxados, agarrados e a aproveitar o silêncio saboroso do pós-prazer vale tanto a pena. Deixei-me ficar no colo dele até me cansar da posição, falámos e trocámos mimos, não foi um perfect 10 mas sem dúvida que me deixou com vontade de repetir, especialmente se me garantir o fodão que eu mereço.

Do you accept the challenge?

Ilustração by https://apolloniasaintclair.com/

Sex Doll – Parte I

Cheguei a casa dele após um escolha cuidadosa do que vestir e de um duche demorado com direito a esfoliação com a minha essência favorita. Gosto de estar preparada para tudo.

Escolhi um visual preto e branco e usei os sapatos pretos de patent leather com salto brutal que ele me tinha dado para usar no nosso primeiro encontro. A saia era de napa preta e a camisa branca com uma faixa negra, o decote da camisa estava suficientemente aberto para deixar ver o soutien também com inspiração em pele preta e faixas elásticas sexy no decote. As cuecas e cinto de ligas tinham apontamentos com renda dourada.
Por cima de tudo usei uma gabardina colorida.

Sentia-me sexy e confiante que o ia impressionar. Sou atenta aos detalhes e isso satisfaz-me mesmo que seja secretamente.

Respirando fundo, toco finalmente à porta e espero nervosa pelo meu anfitrião. Sabia também que ele, com toda a certeza, me iria surpreender com a forma como estaria vestido. Temos isso em comum, o sexo começa muito antes de nos despirmos.

Ele estava vestido todo de negro, t-shirt justa, calças justas com detalhes em pele nas coxas e uma abertura provocante em pele presa com molas sobre o seu caralho. Para completar tinha calçadas umas botas de cano alto elegantes e luvas justas de pele negras, com um recorte nas costas da mão. Big LIKE!

Assim que entro, ele agarra-me pela cintura e beija-me intensamente os lábios e depois o pescoço. Deixo-me levar, ele teria a noite planeada e para mim isso é das coisas mais excitantes.
Gosto de um homem que sabe guiar a sua amante deixando-a desejosa de ser surpreendida com prazer.

Após o cumprimento inicial, poiso a minha mala e casaco num banco do hall de entrada e dou uma pequena volta para apreciar a “toca”. O hall de entrada tinha uma parede coberta de espelhos em todo o comprimento, curioso pensei! E com muito potencial, eu adoro espelhos com o meu reflexo, de preferência.

Avançamos para a sala, mais descontraídos, e ele aproveita para me apreciar com satisfação comentando que eu era muito atenta às pistas sobre o que ele gostava.
Pensei

Miúda, a importância dos momentos vê- se nos detalhes, na mouche!

Quando me puxa-para ele pela anca, posso sentir como encaixam bem os nossos corpos quando estou de saltos bem altos e virando-me para ele passa a sua mão enluvada sobre o meu rabo e dá-me uma palmada que fez um som amplificado pelos tecidos, luva e saia em pele. Uma nova e interessante sensação, o som e o calor que a minha nádega estava a começar a sentir à medida que ele repetia a palmada com intensidade crescente, até me fazer gemer, num misto de prazer e ardor.

Trocamos mais uns beijos e ele diz-me para me ajoelhar. Gosto de obedecer. Fico com a cabeça mesmo em frente ao seu caralho ainda tapado, mas já com água na boca, queria prova-lo e senti-lo a crescer na minha boca. Ele diz-me que ainda não. Percebo que me quer provocar e entro no jogo.

Gatinha até à entrada da sala

Ordena-me
Cumpro sem hesitar, satisfeita por exibir o meu grande rabo, sob uma saia de pele justa. Sentia-me uma tesão. Aposto que estava a ficar rijo.

Gatinho de volta até ele para lentamente me começar a despir, primeiro a camisa, mostrando o belo soutien e depois a saia.
Ele senta-se no cadeirão e ele diz-me que quer experimentar um gag comigo e foder-me a boca com ele. Ao colocá-lo entre os meus lábios fico com a boca bem aberta pelo afastador de borracha enquanto ele o aperta à volta da minha cabeça. De seguida enfia a sua língua pelo buraco e sinto-o na minha língua enquanto a saliva se começa a acumular.
Diz-me para me ver nos espelhos da porta, como fico bem.

Só nesse momento reparo que aquele gag era super original e tinha uns lábios vermelhos enormes que emolduravam a minha boca. Sentia-me como uma sex doll e estava desejosa de o sentir a entrar na minha boca através a abertura e de ser bem usada.
Volto para junto dele e já de joelhos ele começa a destapar a abertura das calças, mostrando um cockring em metal que brilhava, e agarrando a minha cabeça enfia-se na minha boca, que permanecia forçadamente aberta enquanto ele entrava e saía. Sentia-o cada vez mais duro.
A minha saliva brotava da boca enquanto ele me fodia a boca até me engasgar e levar a baba a pingar pelo queixo e para as mamas.

Satisfeito por me usar, tira-me o gag de borracha e levanta-se para me beijar carinhosamente, aprecio como ele doseia o carinho e a kinkyness na forma como me trata.

Leva-me pela mão até ao quarto, tinha mais surpresas para mim. Tira-me o soutien e aperta-me as mamas com a sua mão cheia e alterna os apertões com dentadas nos mamilos rijos que me faziam gemer.
De seguida tira-me as cuecas e diz para eu as meter na boca, obedeço sem hesitar e deito-me na cama descontraída e com as pernas bem abertas exibindo-me para ele provar a minha cona molhada.

Ele delicia-se primeiro suavemente até começar a chupar o meu clitóris com força! Percorre-me um espasmo pelo corpo todo e que me faz contrair as pernas. Ele levanta a cabeça e olho-o nos olhos, mordendo o lábio de satisfação
Era uma incrível mistura de sensações novas para mim. Ele voltou à acção alternando a suavidade na carícia com intensidade na chupadela e no que me pareceu trincas no clitóris! Fazia-me gemer e contorcer cada vez mais pois sentia-me cada vez mais sensível.

Faz-me vir enquanto solto uns gritos e esperneio um pouco. Ele olha-me satisfeito e sem perder o ímpeto diz-me para me colocar de gatas à beira da cama com a cabeça encostada ao édredon.

Enquanto ele organizava o que se iria seguir, eu reparava que a parede lateral à cama tinha um armário grande com portas de correr em espelhos! E como eu adoro ver-me fiquei focada no meu reflexo, apenas ouvia uns barulhos metálicos ao de leve que me deixavam curiosa e estimulavam a minha imaginação.

Continua…

Ilustrações:http://apolloniasaintclair.tumblr.com

Gentleman – Parte I

Gosto quando as histórias nem sempre correm como esperado. Gosto de ser contrariada e depois recompensada. Tudo o que é demasiado fácil perde um pouco do encanto.
Já dizia o Giorgio

The girls are like a shadow.
If you follow them they flee.
If you flee they follow you

Foi assim com este Gentleman.
Fizemos crush, começámos a falar e só algum tempo depois e já com muita expectativa no ar combinámos almoçar. Ele despertou-me de imediato o interesse pois era refrescantemente diferente.

Mais velho, mais calmo e aparentemente menos player. Puxou mais por mim uma vez que senti que desta vez não me iria chegar mandar umas risadinhas ou picá-lo com as minhas fotos. Isso só por si não seria interessante para o cativar.

Almoçamos tranquilamente rodeados de gente e falámos de tudo e mais alguma coisa e quase que tive a sensação de estar numa audição, ele analisava tudo o que eu dizia e estava claramente a tentar traçar o meu perfil.

No fim quando nos despedimos com um beijo na cara senti uma enorme vontade de o agarrar pela mão e leva-lo até um quarto silencioso e raptá-lo por uma tarde. Ele manteve a sua postura inabalável.
Passado pouco tempo mandei-lhe uma mensagem sincera… tinha ficado cheia de vontade de foder com ele. Algo nele era desconcertante, no bom sentido.
Não tenho paciência para jogos e sou sempre sincera, se quero algo luto por ela.

Miúda… este vai-te dar luta. Como tu gostas

Uma sequência de imprevistos não permitiu um reencontro rapidamente, ora férias ora trabalho, os dias tornaram-se semanas mas a chama, essa continuava acesa. Falávamos do que queríamos fazer um com o outro, dos gostos e fantasias. O desafio recorrente que ele me fazia era

Aparece em minha casa que tenho o mel fresco no frigorífico à tua espera

Irresistível. Ele picava-me e eu retribuía. Gostava de saber que o deixava louco. Louco por mim, pelo meu corpo e tinha especial gosto em testar e perceber o em mim mexia com ele uma vez que por várias vezes me disse que era a primeira vez que estava numa situação destas.

Apesar da dificuldade de conciliação de agendas e períodos de férias ele avisa-me que regressa a casa no final da semana e que seria uma óptima oportunidade para nos vermos. A saudade e a tesão estavam ao rubro. Sentia que era mútuo.
Nessa semana não contei os dias… mas sim as horas para o encontro.

Iria sair do trabalho directamente para casa dele. Bom não era bem directamente, queria passar numa sex shop e comprar um brinquedo para nós, algo especial e uma novidade que seria só nossa.
Planeei o dia com cuidado e tudo correu como esperado, só teria um jantar com amigas mais tarde e por isso estava confortável com os compromissos.
À hora marcada estava a chegar à casa dele… num misto de nervosismo e excitação. Ele recebe-me à porta e beijámo-nos intensamente, já eram 7 da tarde mas o calor desse dia continuava infernal.

Ele encaminhou-me até à sala, onde nos esperavam 2 copos de vinho branco fresquinho com frutos vermelhos. Bliss!

Sentámos-nos no sofá e conversámos sobre as últimas semanas e como desejávamos estar juntos. Como tínhamos desejado aquele momento.
Ele confessou-me que tinham passado quase duas semanas em abstinência e que estava por isso bastante sensível às minhas provocações. Olhei descaradamente para as suas calças e a safada dentro de mim só pensava

Miúda! És tão gulosa! Vais tratar dele uma primeira vez para depois de libertada a tensão ele te foder até cair

Aproximo-me dele e ele puxa-me para o colo dele, onde me sento confortavelmente. Neste momento tive um flashback de sensações do passado. Ao tempo de adolescente pré-iniciação sexual onde ficávamos horas num ritual de “roça-roça” vestidos até ficarmos cansados ou magoados das calças de ganga.
No sofá vestidos, eu sentada em cima dele balançava-me simulando um cavalgar no seu colo. Sentia-o rijo e a nossa respiração era ofegante entre beijos.

Ele abriu-me os primeiros botões do vestido que era estilo túnica com botões na parte da frente que abriam facilmente na totalidade o vestido.
Beijou-me as mamas, lambuzando com vontade o peito até ao mamilo. Estavam rijos e muito excitados. Aprecio quando um homem se dedica de forma igual a todas as partes sexys da mulher e especialmente adoro ver uma boca sedenta e uns olhos fechados de prazer enquanto me devoram as mamas.
Paramos um pouco para recuperar fôlego e reparo num pequeno copo na mesa da sala, junto ao nosso vinho. Mel!

Lembraste-te

Exclamei com ar surpreendido

Miúda! O mel é novidade e este gentlemen uma caixinha de surpresas!

Estes pequenos detalhes eram extremamente envolventes e fizeram-me sentir especial naquele momento.
Sou bastante mais expressiva num texto do que cara a cara… Mas estava a apreciar cada momento e a rebentar de tesão pelo que ainda estava para vir.
Beijamos-mos e eu dou um saltinho lembrando-me que tenho um brinquedo para lhe mostrar, pois também já tínhamos falado disso, um pequeno vibrador com forma de golfinho que seria óptimo para ele massajar o clitóris.

Ao me inclinar para chegar à minha mala onde estava o brinquedo, sinto-o vir por trás de mim e deixei-me ficar. Ele levantou o meu vestido e afastou as minhas cuecas chegando com a sua língua fresca à minha cona ardente.

Que booom…

Disse num meio gemido.
Voltei-me para ele e após um beijo ele voltou para o sofá onde me esperava mas antes pediu para eu me despir.
Poisei o brinquedo na mesa e fiquei um pouco envergonhada pois confesso que num strip não é onde me sinto mais confortável.
Comecei a desapertar os botões que faltavam, tirei o soutien e após dar uma volta sobre mim mesma, deixei cair o vestido totalmente.

Fiquei de pé de saltos altos e cuecas em frente a ele. Avançei timidamente para os seus braços.
De volta ao sofá comecei a despi-lo passando propositadamente a minha mão pelo seu pau rijo.
Inclino-me para a frente e começo devagar a chupar e a sentir o seu relaxamento.
Ajeito-me de joelhos para conseguir chegar mais fundo e aumentado a cadência vou chupando com vontade, sempre consciente que a abstinência dele teria resultados rapidos se eu assim o quisesse.

Ele levanta-se e pega no copo com mel e verte sobre o seu pau já lambuzado enquanto eu o sigo com o olhar, verdadeiramente gulosa!
Aproxima-se então de mim e fica em pé à minha frente. Sentada no sofá a minha cabeça ficava à altura certa para me deliciar. E era tão bom como eu esperava, o sabor adocicado e a mistura de texturas com que eu brincava utilizando a minha lingua ora macia ora tesa. Chupei-o todo, até não haver vestígio de mel!

Continua…

Ilustrações:http://apolloniasaintclair.tumblr.com

Tesão de homem – Parte I

Sexta-feira ao final do dia sentia-me especialmente predadora.

Não resisti a uma caçada e após uns swipes encontrei algo que me chamou à atenção, a imagem era tentadora: uma mão tatuada a agarrar com vontade um belo rabo.

Fiquei curiosa e aprofundei o meu interesse, a apresentação terminava com um:

Queres marcar um café comigo? Ou posso-te comer sem que gastar dinheiro?

O meu interesse ficou ainda mais aguçado.

A atitude num homem para mim vale mais de 50% do seu interesse, claro que gosto que me agradem fisicamente, mas a atitude, isso sim é algo que me enche de tesão e me motiva a marcar um encontro.

Respondi com o modo safada ON

Podes me comer… não gosto de café.

Por acaso até gosto bastante mas a minha ideia era saber logo qual era a fibra do pretendente a presa. Correspondendo às minhas expectativas a sua resposta ao meu atrevimento foi

Como com muito prazer.

The game is ON pensei eu!

Marcámos o nosso encontro e confesso que abri uma exceção nas minhas regras, mas não queria deixar passar muito tempo e esmorecer a tesão que estava a sentir.

Nos dias que antecederam o encontro trocámos várias fotos provocantes e partilhei alguns dos meus gostos e preferências.

Falámos todos os dias e eu estava acesa, sentia a excitação de uma primeira vez e a expectativa era elevada. Decidi nessa manhã não usar cuecas no encontro, já tinha confidenciado que era algo que fazia de vez em quando e ele tinha reagido com muita tesão. Era uma agradável surpresa.

Combinámos encontrarmo-nos à porta do motel, confesso que me sentia nervosa e um pouco intimidada pela carga sexual prévia , mas por outro lado é a adrenalina que me move e se não sentir o friozinho na barriga é porque não vale a pena.

Quando cheguei ele já me aguardava, mal olhei para ele senti-me a ficar corada… Mas gostei do que vi e disse um tímido

Vamos?

Ele já tinha previamente reservado o quarto e gostei da sua escolha!

Ao entrar vi um varão, paredes e teto com espelhos, tudo com tons de vermelho e preto e uma larga cama ao nível do chão. Para complementar o ambiente de puticlube havia um jogo de luzes a iluminar alternando com várias cores.

Fiquei em pé, encostada ao varão enquanto ele poisava as suas coisas, gostei do toque fresco do metal e do ambiente que estava no ar. Esperei pelo avanço dele, ele passou as mãos pelo meu corpo e agarrou-me pela primeira vez o rabo com vontade.

Dei uma volta sobre mim para me exibir e perguntei-lhe atrevida se ao vivo era como nas fotos e confessei que não tinha cuecas.

Ele entusiasmou-se e quis comprovar o que eu dizia. Subiu a minha saia e passou lentamente a mão entre as minhas coxas, nádegas e por fim suavemente sobre a minha cona que estava já bastante molhada com a excitação acumulada.

Tomando a iniciativa começou a abrir a minha camisa, depois o fecho da minha saia e por fim tirou o meu soutien. A forma como o estava a fazer era sedutora e tranquila o que me foi deixando com muita vontade de me entregar ao prazer.

Fiquei nua, apenas com as meias de liga e os sapatos altos calçados, sentia-me sexy.

Ele agarrou-me com firmeza e fez-me ajoelhar em frente a ele, estava já duro e mesmo à minha frente, sem hesitar meti-o na minha boca para o sentir rijo pela primeira vez e comecei a chupar suavemente.

Ele empurrou-se contra a minha boca e senti-o a chegar bem fundo até à garganta… senti aquele sufoco bom e quando ele me largou respirei com vontade e ri-me… tinha apreciado e gostava de lhe dar a entender isso.

Passámos ao colchão… onde me deitei e esperei por ele, pelo seu toque e boca fresca na minha cona quente.

Hmmm que delícia! Relaxada e bem entregue encostei a minha cabeça para trás, fechei os olhos e disfrutei do puro prazer. Abri os olhos por momentos para ver o espelho do teto e lá estava o meu reflexo, eu deitada, pernas bem abertas e ele deitado com a cabeça entre as minhas coxas a saborear-me toda.

Gostei da intensidade com que me beijava a cona e me penetrava com os dedos… sabiamente fez-me vir!

Pensei…

Miúda, o teu palpite na sexta estava certo, boa presa!

Estava super excitada e desejosa de o sentir assim rijo dentro de mim. Ele coloca o preservativo agilmente e eu fico deitada de pernas abertas, a morder o lábio de ansiedade pela primeira penetração.

Continua

Ilustrações:http://apolloniasaintclair.tumblr.com